• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT BAHIA MARCA PRESENÇA COM PROTESTOS DURANTE O 2 DE JULHO

Publicado: 02 Julho, 2019 - 19h26 | Última modificação: 02 Julho, 2019 - 20h03

Escrito por: Ascom CUT Bahia Aline Damazio

notice

A Central Única dos Trabalhadores da Bahia (CUT Bahia) colocou mais uma vez o “ blocão na rua” com mais de 8 mil pessoas, no tradicional desfile do 2 julho, reescrevendo a história de luta pela liberdade e de protestos,nas ruas da Lapinha até o Centro Histórico de Salvador, nesta terça-feira, 2/7.

Neste na, as principais bandeiras de luta erguidas e mensagens de protestos da central, sindicatos filiados e militantes foram: “Lula Livre”, “não a reforma da Previdência”, “onde está Queiroz”,“ não aos cortes na educação”, “ mais empregos “e “Moro bandido da Lava Jato”. Nossas faixas e cartazes se destacavam entre os milhares de baianos e turistas que seguiam acompanhando o desfile que comemora a Independência do Brasil na Bahia.

Os sons das fanfarras e samba tocaram, mas não foram mais altos que nosso canto por “Lula Livre, Lula guerreiro do povo brasileiro”, formando um coro cada vez mais forte por onde passávamos, do povo que estava com esse grito entalado na garganta e achou ali, na manifestação uma identificação imediata com o bloco da CUT Bahia.

O Dois de Julho não é somente uma data histórica; é símbolo de liberdade e de povo nas ruas. Por isso, as imagens do caboclo e cabocla iam na frente, e em seguida dirigentes e representantes de sindicatos da CUT Bahia reforçando e mantendo vivo o espírito de resistência e representando que a luta continua para livrar o povo da pressão e conquistar a democracia, como fizeram os heróis do 2 de julho há 196 anos.

Para o presidente da CUT Bahia, Cedro Silva a data carrega um simbolismo de povo na rua para lutar por direitos. “ A CUT está aqui no cortejo do 2 de julho, para protestar, e vemos que a maioria da população também quer dizer que o Brasil está caminhando para direção errada. São índices de desemprego batendo recordes negativos, juiz manipulando ações da Polícia Federal para se beneficiar, tentativas de vendas das estatais, Lula preso sem provas. Querem acabar com o direito a aposentadoria, é a geração de um abismo social sem precedentes. Por isso, estamos nas ruas fazendo o contra ponto, a resistência contra tudo de ruim que querem fazer contra o povo brasileiro. Queremos nosso povo sorrindo novamente, por isso, que a população nos apóia, queremos Lula Livre. Ninguém vai nos parar! ", Cedro Silva, presidente da CUT Bahia.

Para o dirigente da CUT Bahia e diretor da Secretaria de Administração e Finanças, Valdemir Medeiros do Sindprev Bahia a luta agora é por liberdade de Lula e não a reforma da Previdência. “ O 2 de julho é um momento cívico da Bahia. Nós temos que falar também por uma pessoa que foi acusada por um grupo da elite, que é Lula. Estamos nas ruas para dizer que queremos Lula Livre! Somos a favor da democracia. E a independência da Bahia é um momento de libertação do Brasil e por isso pedimos a libertação de Lula, um dos poucos, ou melhor o único preso político no mundo. Não topamos a reforma da previdência, que é cruel com as mulheres e trabalhadores do campo”, destaca.

E o bloco da CUT Bahia seguiu levando esperança de luta para o povo, nas ruas do Centro Histórico de Salvador, e relembrando que a data em que se comemora o 2 de julho demonstra que a Bahia é referência de uma população que combate e vence os tiranos, que anos depois continuamos no embate, ainda mais fortalecidos, com a certeza que unidos somos mais fortes, haverá luta, mas vamos vencer no final.

Como lembra a secretária de comunicação da CUT Bahia, Lucivaldina Brito. “Lula se encontra preso sem nenhuma prova, estamos nas ruas com nossos sindicatos na certeza que um dia terá justiça nesse país. Clamamos para que a população continue lutando e resistindo pelos seus direitos. A CUT juntamente com seus sindicatos segue com seus gritos de guerra: não a reforma trabalhista e contra o desmonte da previdência.

A união também foi destaque entre as falas dos sindicalistas, como enfatizou a vice- presidente do Sincotelba, Shirlene Souza.“ A importância do dois de julho é a união do povo que gera resistência e luta. Nós precisamos ficar unificados lutando junto por um bem maior que é nosso país.Vamos juntos no dois de julho luta por nossos direitos”, afirma.

E é também na esperança que vemos nas crianças que acompanharam o desfile, que já estavam com seus pais nas comemorações da independência da Bahia,é também por elas [crianças] que nós CUTistas avançamos por um Brasil melhor, para que as próximas gerações cresçam fortalecidas e conscientes, em um país mais justo, democrático e com diretos e justiça social para todos. Por isso, também, que a luta da CUT Bahia continua.

 

Como o Secretário de Finanças da CUT Bahia, Alfredo Júnior relembra fazendo a correlação a correlação do passado, presente e futuro. "Quando falamos de independência na Bahia já é uma manipulação histórica, pois deveríamos falar de independência do Brasil na Bahia. As tropas portuguesas só saíram da Bahia, ou seja, do Brasil em 2 de julho, não em 7 de setembro. A independência só se deu quando as tropas saíram do território nacional, não quando o filho brigou com o pai e gritou independência ou morte. A verdadeira independência aconteceu com a luta do povo na Bahia e hoje vivemos justamente isso, as elites querendo fingir que não houve ditadura militar, querendo criar uma narrativa para criminalizar a ascensão da classe trabalhadora, para a partir daí tirar os direitos trabalhistas. O golpe não acabou quando tiram Dilma e Lula do poder e sim quando agora os caminhos estão abertos para retirar todos os direitos que historicamente conquistamos para a geração futura do povo brasileiro", enfatiza o sindicalista.

Dois de julho é exemplificação que o povo está na rua consciente sim que a luta ainda não acabou, continua no presente e no futuro, pois “com tiranos não combinam brasileiros corações”.

 

 

Imagens: Luis Teixeira